Crítica semanal Mayã Fernandes

A cidade através do indício: cartografias de Íris Helena

Íris Helena, artista visual sediada em Brasília realiza uma investigação crítica sobre a cidade, captando com seu olhar imagens urbanas que reproduz sobre distintos suportes.

A artista deixa transparecer sua metodicidade ao utilizar-se da repetição na série “Paraísos Fiscais” (2016), qual utiliza tickets de compra. Nessa série a artista trabalha com a noção ambígua da memória. Com tickets e jatos de tinta, a memória torna-se um fardo para aqueles que necessitam guardar o percurso, o gasto, enquanto que para outros é uma dádiva, já que a tinta esvai, ocultando o valor do desejo. A reutilização de materiais descartados é uma maneira de retomar o histórico do objeto: a expectativa da compra, a efetivação do desejo realizado em um instante.

Indício.queda, da série Paraísos Fiscais, 2016
“Indício|Queda”, da série “Paraísos Fiscais”, 2016.

Na obra “Indício|Queda”, os tickets de compra podem referir-se à lembrança do consumo, da busca pelo novo e da plasticidade das relações sociais de Brasília. A ilusão do dinheiro de plástico é vivenciada por uma das classes da cidade, que alucina no ritmo apressado, repetitivo do cotidiano: são estas pessoas que amassam e guardam os tickets, que sabem o custo e conseguem ver além do apagamento.

Quadrantes.Desertos, da serie Paraísos Fiscais, 2016
“Quadrantes|Desertos”, da série “Paraísos Fiscais”, 2016.

Os “Quadrantes|Desertos” podem refletir o descampado da Esplanada dos Ministérios. No vazio do gramado a evasão das pessoas ocorre com brutalidade, sem respeito à memória daqueles que garantiram o espaço de luta. O apagamento é amigo, o esquecimento é fiel. E Iris Helena ironicamente nos relembra que ao redor, nas bordas da Esplanada, a evasão fiscal é feita, todos “esquecem seus bens” e a tinta do papel não é suficiente para gravar o ilícito.

maya


MAYÃ FERNANDES
 é formada em Filosofia pela UnB e atualmente é mestranda em Metafísica pela mesma instituição. É pesquisadora da Cátedra UNESCO Archai: Origens do pensamento Ocidental e editora da PHAINE: Revista de Estudos Sobre Antiguidade. Estuda a teoria do belo na antiguidade e escreve crítica de arte no site Linhas de fuga.

um comentário

Deixe uma resposta para Mayã Fernandes Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: