Agenda - Rio de Janeiro (exposições)

Uma pedra no meio do caminho

Exposição “Uma pedra no meio do caminho”. Abertura: dia 14 de setembro, sexta-feira, das 19 às 22:00hs.

Visitação de segunda-feira a sábado de 12 às 19:00hs.

Local: Casa de Pedra (Rua Redentor, 64 – Ipanema).

Entrada gratuita!

Apoio: Simone Cadinelli Arte Contemporânea.

Informações: (21) 9 8636-5089

Evento: https://www.facebook.com/events/689989268026332/

Classificação Livre (somente a sala com os trabalhos do Claudio Tobinaga terão um aviso na entrada).

WhatsApp Image 2018-09-11 at 23.51.26

“Uma pedra no meio do caminho” traduz uma inquietação. Não se trata do poema de Carlos Drummond de Andrade. Trata-se da próxima exposição dos artistas visuais Claudio Tobinaga, Maria Amélia Raeder, Rafael Prado e Rita Coppos – com curadoria de Julie Brasil –, cuja abertura será no dia 14 de setembro, sexta-feira, às 19h. Onde? Na casa de Pedra. O local não poderia ser mais apropriado: um espaço em Ipanema, que já foi residência, ateliê, locação para filmes do Cinema Novo, point da boemia carioca, sauna gay e que, atualmente, promove eventos multiculturais de arte, moda, gastronomia e festas de uma forma geral. Uma casa que ‘respira’ arte e é cheia de memórias. Memórias estas que motivaram os artistas no desenvolvimento de seus trabalhos.

A mostra apresenta cerca de 30 obras, experimentações por meio de colagens e montagens, entre pinturas e instalações. Nas telas de Claudio Tobinaga, a transgressão remete à presença do Studio 64, a sauna gay que funcionou no espaço por duas décadas. A imagem do subúrbio carioca, em clima de festa, a boemia. Maria Amélia Raeder leva para a mostra, trabalhos emoldurados, uma instalação no piso parquet ascendendo pela parede e outra com fragmentos de fotografias antigas próximos ao rodapé do quarto. Os trabalhos resgatam a memória do local.  Mas quais são estas memórias, estes segredos? Não são revelados. Pode haver várias interpretações. Ou não. Quem decide é o visitante. Vários olhares para uma mesma obra. Assim é a arte!

Os embates organizados entre as pedras da Gávea, Bonita, da Tartaruga, do Teleférico, do Pontal, do Arpoador… são retratados nas pinturas de Rafael Prado. Os trabalhos do artista se apresentam por vezes como telas de câmaras de drones que sobrevoam o espaço urbano – a ‘selva de pedra’ – e em outras, parecem registros feitos mais de perto. Mas não são fotografias, são pinturas. Recordações, memórias, reveladas pela atmosfera do cenário perfeito que a Casa de Pedra proporciona. Já Rita Coppos traz a série ‘Cobogó’, inspirada na arquitetura modernista. Junta o que há no industrial, nas estruturas, nas estampas e no popular para compor suas obras. O colorido também se faz presente. Os comércios do Rio e os calçadões de pedras da zona sul carioca convidam o público a visitar os locais, trazendo à tona as memórias afetivas.

“As obras dos quatro artistas visuais, cada qual com sua percepção do espaço e com suas próprias vivências, levam para a Casa de Pedra, trabalhos em pinturas, com exceção de Maria Raeder, que apresenta instalações fotográficas, que tratam da história do local, mas sem expor os segredos existentes”, diz a curadora.

A relação da Casa de Pedra com a exposição torna-se ainda mais estreita, como explica Julie Brasil: “Não raro, em cerimônias simbólicas, a colocação Pedra Fundamental assinala, com solenidade, o início de uma obra importante, onde se coloca uma cápsula do tempo as lembranças do dia, como jornal, textos e fotos para a posteridade. O nosso exercício propõe abrir cápsulas dos vários tempos e vasculhar possíveis histórias, memórias e fatos das Pedras da casa, das montanhas, dos caminhos, dos muros e das pontes que nos rodeiam. Após escutar as várias histórias do lugar, acredito que a ‘Pedra Fundamental’ do espaço, que verdadeiramente funda o espírito da casa, foi trazida 30 anos após a sua construção pelo casal Anna Saraiva e Caio Mourão. Trata-se de uma das pedras lançadas durante as manifestações estudantis que evoluíram para a greve geral de 1968, e que mudaram o rumo da França”.

Reprodução do release da exposição.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s