Crítica semanal Mayã Fernandes

“Um pouquinho de você me atravessa”

A Quanta!, plataforma que visibiliza artistas LGBTs do Distrito Federal e Entorno, em sua segunda edição no SESC Estação 504 sul, realizou a mostra com dança e música. Nessa edição, a artista Tauana Macedo, arte/educadora e especialista em Dança e Consciência corporal, realizou a apresentação “Um pouquinho de você me atravessa”.

Rompendo o espaço com o silêncio de seus movimentos, a artista inseriu em seu corpo o cotidiano dos desconhecidos da plateia. Por meio do olhar, a artista inicia o improviso. Encara o outro e ao perceber suas expressões, insere na dança a mimese do subjetivo. Logo após, pede que uma pessoa aleatória conte sobre uma lembrança da infância. Com clareza, a conexão entre a artista e o espectador não era prevista. Com os pés no assoalho busca revelar a simplicidade, o toque, o sentir na própria pele o devir da música e  do outro. Fugindo do literal, seus movimentos exploram os limites do corpo no espaço ao som do vazio.

Com o silêncio, os gestos se intensificam e ganham outra proporção. Cada fio da pele sendo repuxado por um movimento único, improvisado. As perguntas continuam, algumas audíveis para o público, já outras contadas ao pé do ouvido. Seu olhar capta o encoberto e desvela os observadores, que atentos, percebem as curvas feitas no palco refletirem a subjetividade. Partícipes de sua criação, nada precisou ser dito para saber que havia chegado ao fim. Sem gestos bruscos ou luz acessa.

O rompimento do olhar com o público, a cabeça baixa e o retornar calmamente para a plateia foi o suficiente para saber que havia chegado ao fim.  A artista em sua apresentação de improvisação dançou os anseios do público, envolvido em sua marcha silenciosa: não se sabe se quem dançou foi ela ou o espectador.

 

maya


MAYÃ FERNANDES
 é formada em Filosofia pela UnB e atualmente é mestranda em Metafísica pela mesma instituição. É pesquisadora da Cátedra UNESCO Archai: Origens do pensamento Ocidental e editora da PHAINE: Revista de Estudos Sobre Antiguidade. Estuda a teoria do belo na antiguidade e escreve crítica de arte no site Linhas de fuga.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s