Crítica semanal Ludimilla Fonseca

Modos de expor

Entendendo a curadoria como o ponto de interseção entre artistas, suas obras, o contexto em que são produzidas e posteriormente expostas (o que engloba as instituições, o público, a imprensa e o mercado), cada vez mais pesquisas (artísticas e acadêmicas) têm o objetivo de investigar a relação entre os processos de produção e exibição de arte contemporânea, a fim de questionar os “modelos curatoriais dominantes” e discutir possíveis novas abordagens.

Nutridos pela exponencial multiplicidade das obras de arte e pelos cenários

socioeconômicos nada favoráveis, os sistemas de exposições vêm encorajando e demandando a multiplicação dos gestos curatoriais. Estamos falando em processos que exploram noções de percepção e sensibilidade e em uma maior afinidade entre curador e artista na transmissão de ideias e sentimentos e na permuta de informações e desejos.

Do “horror vacui” ao cubo branco, a atuação dos curadores não está mais condicionada a um espaço e a um tempo, mas à extrapolação destes. Sendo assim, é imprescindível repensar as expografias diante de formas de arte baseadas no tempo, dependentes do contexto, dinâmicas, interativas, colaborativas, variáveis. Coletivos, residências, ocupações e grupos de pesquisa, com seu caráter não-hegemônico, não-tradicional e inclusivo parecem ser um campo fértil para tais investigações, que remetem à experimentalidade inerente à quebra das “grandes narrativas” e à procura por discursos polifônicos que ampliem nossas possibilidades de afronta às limitações impostas pelo cenário político-econômico e também pelo cenário sociocultural de espetacularização e pasteurização/padronização das possibilidades expositivas na arte contemporânea.

Em suma, temos como questão-problema: como não cair nos modelos curatoriais

tradicionais e hegemônicos e desenvolver uma prática e pensamento expositivos que, de fato, estejam alinhadas com as propostas dos artistas e com a realidade na qual estamos inseridos?

Talvez, o grande desafio para um curador seja permitir ao público estabelecer novas conexões e produzir novos sentidos como consequência do “choque” entre a experiência cognitiva-sensorial sentida no espaço expositivo (seja ele qual for) e a bagagem cultural que cada um traz para este “espaço”.

ludmilla

 

Ludimilla Fonseca é jornalista pela UFJF (MG) e mestranda em História e Crítica da Arte na UFRJ. Curadora e produtora independente, escreve regularmente para as revistas Desvio, Híbrida e O Fermento”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s