Crítica semanal Daniel Levy de Alvarenga

O futebol e o patrimônio cultural

Nas últimas décadas temos assistido uma crescente valorização dos conhecimentos tradicionais, dos modos de fazer, das festas, dos rituais, das celebrações, enfim, das formas de expressão, dos lugares e espaços que abrigam práticas culturais vinculadas às tradições de diversas comunidades.

Um dos resultados desta valorização é o reconhecimento oficial dos bens culturais de natureza imaterial por parte dos órgãos públicos do patrimônio que, após estudos realizados pelo seu corpo técnico, conferem um “título” a determinada expressão cultural.  No âmbito nacional, o IPHAN atribui o título de Patrimônio Cultural do Brasil. Na cidade do Rio de Janeiro, é concedido o título de Patrimônio Cultural Carioca.

As principais consequências destes “títulos” são, ou deveriam ser, as denominadas medidas de salvaguarda, ou seja, ações práticas que estimulem a viabilidade e a continuidade do patrimônio cultural imaterial de modo sustentável, proporcionando, na medida do possível, uma melhoria das condições sociais e materiais de transmissão e reprodução da expressão cultural. Isto significa, obviamente, que não basta conferir um “titulo”, pois o mais importante, na verdade, são as medidas de salvaguarda.

Neste sentido, o caso da cidade do Rio de Janeiro é emblemático. A lista dos bens culturais de natureza imaterial reconhecidos pelo Município é extensa. Encontramos nesta lista diversas “expressões culturais” relacionadas ao futebol como, por exemplo, o  Fla x Flu, o “derby” esportivo que foi denominado o “Clássico das Multidões” pelo jornalista Mário Rodrigues Filho.

O reconhecimento como bem de natureza imaterial e a inscrição do Fla-Flu no Livro de Registro das Atividades e Celebrações considerou a “relevância do futebol, além da dimensão do desporto e da prática atlética, mas também como manifestação cultural e social conferindo-lhe caráter antropológico para o melhor entendimento e compreensão da sociedade e da identidade carioca”. Para a Prefeitura, o clássico “mais charmoso do mundo” e que imortalizou diversos jogadores, “é uma celebração que sintetiza a identidade carioca e signo máximo do saudável antagonismo esportivo”.

Esta última justificativa é uma explosão de interrogações: o que é a “identidade carioca”? Uma partida de futebol é capaz de sintetizar esta identidade? E quanto ao “saudável antagonismo”? Pelas informações do Juizado Especial do Torcedor e dos Grandes Eventos, a Força Jovem do Vasco é considerada a torcida mais violenta do Brasil. Em terceiro lugar está Young Flu do Fluminense seguida pelos grupos de torcidas organizadas do Flamengo. O levantamento considera o número de torcedores afastados dos estádios. Desde 2003 até 2017, foram presos 253 torcedores e 486 foram afastados dos estádios por envolvimento em confusões durante as partidas. Em diversos estados brasileiros o Ministério Público propõe o fim das torcidas organizadas como medida para reduzir a violência e aumentar a proteção dos torcedores dentro e no entorno do estádios.

Meu ponto é o seguinte: para que uma determinada expressão cultural seja reconhecida oficialmente e que os recursos públicos possam ser canalizados para projetos representativos da diversidade cultural, são necessários critérios razoáveis e fundamentados. Deve-se evitar a banalização do “título” e, principalmente, o seu uso político. Qual o sentido, por exemplo, em reconhecer os gols do Zico no Maracanã como bem cultural de natureza imaterial?

O importante é que em cada caso concreto seja ponderado o peso que a expressão cultural candidata ao “título” de Patrimônio Cultural Imaterial tem na comunidade, o seu significado histórico e identitário e a efetiva necessidade de atuação do poder público para a sua manutenção na atualidade e transmissão para as futuras gerações.

 

* Foto de Capa: Fla x Flu – Djanira (1975).

 

Daniel Levy

Daniel Levy de Alvarenga  é formado em Direito e em História pela PUC-Rio. Mestre em História pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), linha de pesquisa “Patrimônio, Ensino de História e Historiografia”. Doutorando em Direito pela Universidade Autônoma de Lisboa (UAL), desenvolvendo pesquisas sobre patrimônio cultural material e imaterial.

 

1 comentário

  1. Muito interessante o seu ponto de vista dando ao futebol ou melhor ao ao Fla x Flu um uma importância enorme dentro dos bens imateriais do carioca.

    Curtir

Deixe uma resposta para Miriam Mannheimer Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: