Crítica semanal Luiz Guilherme Barbosa

Nu e alterado

O contingenciamento de cerca de 30% do orçamento para o ensino público federal e a suspensão na concessão de bolsas de mestrado e doutorado que se encontravam disponíveis aos programas de pós-graduação são um capítulo sobre a circulação de imagens no Brasil.

Digo isso porque, a confiar nas análises que se repetem acerca do atual governo federal, as redes sociais são a arena política privilegiada para a governança federal.

De modo que, embora não sejam novidade os contingenciamentos na educação, o teor político da decisão recente soa revanchista.

Trata-se de uma decisão política pela destruição de uma forma de vida.

Se circulam nas redes sociais imagens e discursos justificando o desinvestimento na educação devido à recorrente nudez dos corpos e ao consumo de entorpecentes nos campi universitários, isso parece dizer mais respeito à força do processo educacional do que aos fatos cotidianos nas escolas e universidades públicas federais.

Ou seja, sim, a escolarização põe a nu o sujeito e altera-o, é exatamente disso que se trata.

Dedo no cu e gritaria, numa tradução memetizada.

 

Luiz Guilherme
Luiz Guilherme Barbosa
Professor de português e literaturas no Colégio Pedro II e doutor em teoria literária pela UFRJ. Escreve aos domingos sobre relações entre arte e literatura, arte em contexto digital, arte e política, e outras formas de desvio.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s