Crítica semanal Daniel Levy de Alvarenga

Brasil: um supermercado de absurdos

Um juiz que durante o processo eleitoral prendeu um candidato e depois da eleição assumiu o cargo de Ministro da Justiça do candidato vitorioso; Golden shower; meninos de azul e meninas de rosa; nazismo de esquerda; Brasil acima de tudo e Deus acima de todos; ministro do meio ambiente que não sabe quem é Chico Mendes; as conversas de whatsapp entre o secretário-geral e o presidente; cortes orçamentários na educação e na cultura;  liberação desenfreada dos agrotóxicos; proibição da divulgação de pesquisa realizada pela Fiocruz; uma proposta de reforma da previdência autoritária e unilateral; vídeos semanais toscos do presidente; soldados do exército que atiram 257 vezes em pessoas inocentes e são libertados pela justiça militar, etc, etc…

A cidade do Rio de Janeiro não fica muito atrás do ranking dos absurdos. Para não alongar a lista, vale mencionar que a prefeitura extinguiu a verba para conservação dos 1.374 monumentos históricos da cidade.

Todos os dias somos bombardeados por notícias tão surreais que acabamos naturalizando o absurdo. Parece até que estamos vivendo dentro de uma série do tipo The Twilight Zone (Além da Imaginação) ou Black Mirror, que apresentam contos de terror e de ficção científica onde tudo pode acontecer. E o pior: estas notícias estão com prazos de validade cada vez mais curtos e caem rapidamente no esquecimento.

A banalização do absurdo bombardeia cotidianamente o nosso desejo de mobilização e corremos o risco de perder a capacidade de indignação, normalizando situações inaceitáveis. Não podemos nos abater diante da intolerância e da ignorância!

Em decorrência dos diversos compromissos profissionais e acadêmicos recentemente assumidos, esta é a minha ultima crítica na Revista DESVIO. Agradeço imensamente a oportunidade que me deram para dividir alguns dos meus singelos pensamentos com os leitores. Vamos em frente, na luta por uma sociedade mais justa e humana.  

 

Daniel Levy

Daniel Levy de Alvarenga  é formado em Direito e em História pela PUC-Rio. Mestre em História pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), linha de pesquisa “Patrimônio, Ensino de História e Historiografia”. Doutorando em Direito pela Universidade Autônoma de Lisboa (UAL), desenvolvendo pesquisas sobre patrimônio cultural material e imaterial.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s