Crítica semanal Daniela Avellar

NA INTERNET NINGUÉM SABE QUE VOCÊ É UM CACHORRO

O título supracitado refere-se à um ditado norte americano originado de um cartum de Peter Steiner publicado pela The New Yorker em 1993. Nele vemos um cachorro sentado à frente de um computador dizendo a frase para um outro cachorro sentado no chão. Certamente a cena evoca um período de maior anonimato relacionado ao uso da internet. Antes do advento das redes sociais permeadas pela publicação incessante de fotos e imagens produzidas por nós mesmos, quando as fronteiras entre público e privado ficam embaralhadas, a internet era um terreno de maior liberdade para manifestações anônimas e também um lugar para exercício de uma certa autonomia inventiva com a criação de sites e blogs a partir do domínio do uso da linguagem html.

desvio_dog

As práticas ligadas à chamada net art envolvem uma gestão singular de corporalidades e uma relação específica quanto à espacialização já que prescindem dos espaços tradicionais de circulação de arte, como galerias e museus. Me aventurando pelo site da artista, professora e escritora russa Olia Lialina[1], descubro que a mesma criara uma espécie de site-arquivo com o objetivo de reunir e guardar prints de páginas resgatadas do Geocities[2]. On the Internet Everybody knows you had a dog (2015)[3], apresenta, ao som de uma versão curiosa da música A whiter shade of pale[4], um conjunto de imagens de sites criados no final dos anos 90 e no início dos 2000 por donos de cachorro com o intuito de homenagear seus bichos. Provavelmente esses criadores tiveram de aprender a usar programação html só para conseguir criar um espaço virtual que funcionasse como arquivo de imagens e histórias de seus cachorros. Isso muito antes da profusão de contas no Instagram e Facebook contendo memes ou fotos de animais, organizadas por seus cuidadores.

desvio_dog2

É difícil especificar porque minha incursão por esse material gerou tanto encantamento. Talvez um misto de nostalgia por eu mesma ter sido usuária de html e fazer uso de serviços de hospedagem nos idos anos 2000; nos últimos dias eu e um amigo reativamos prints de nossos extintos sites e blogs através do site Web Archive[1] que recupera e arquiva esses dados. Ou pelo apaziguamento que a sequência de imagens traz, certamente proporcionada pela fofura inquestionável dos cachorrinhos retratados, mas também a medida em que o arquivo produz uma linha de fuga perante as duras estratificações do que implica o uso do computador e da internet hoje.

Com o celular na palma das mãos, o império do touch e a praticidades do tablets, coisas como sites dedicados a cachorros programados pelos seus próprios donos tornam-se obsoletas, traços de uma já ultrapassada internet que operava enquanto rede proponente de iniciativas mais autorais e autônomas. As novas interfaces implicam outros gestos e movimentos e de forma alguma pretendo aqui sustentar um argumento saudosista, o que há agora é uma nova forma de participação, a internet invariavelmente misturando-se à vida, o computador como algo que não necessariamente sentamos em frente e passamos horas à desbravá-lo.

Resta a grata sensação de saber que justamente a própria tecnologia e a internet se deixam ser penetradas e reteritorializadas. A ação de embrenhar-se em seus arquivos com interesse e fascínio e a partir disso criar uma página, montar uma coleção, produzir um acontecimento, evidencia e faz um recorte de um tipo específico de imagem virtual que não retorna porque tudo no sistema da rede é movimento, mas que pode ser atualizado e revisitado de algumas formas.

[1] http://web.archive.org/

[1] http://art.teleportacia.org/

[2] Olia Lialina é uma das fundadores do Geocities Research Institute, focado em gerar um arquivo de prints das páginas do extinto serviço de hospedagem.

[3] http://dogs.geocities.institute/

[4] https://www.youtube.com/watch?v=Mb3iPP-tHdA

 

Daniela Avellar

 

Daniela Avellar vive, cria e escreve no Rio de Janeiro. Graduada em Psicologia, atualmente é mestranda em Estudos Contemporâneos das Artes pela Universidade Federal Fluminense.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s