Andressa Rocha Crítica quinzenal

A permanência das estruturas – Parte I

Talvez tão importante quanto refletir o porquê de falar sobre questões raciais agora seja analisar como um produto do duo colonialidade/modernidade ainda se faz presente na dinâmica social de sujeitos afro-diaspóricos. O racismo constitui o principal legado da escravidão latente e funciona como regime discursivo cujo objetivo é o exercício da economia do biopoder, possibilitando as atividades assassinas do Estado. O negro, portanto, seria um ser-outro, cuja existência é justificada pela objetificação.

Trata-se, indubitavelmente, de uma estrutura originada no sistema de plantation que situou os negros em situação de escravidão em uma terceira zona, entre o estatuto de sujeito e objeto. Justificado por um sistema jurídico-legal, o mais perverso exemplo da dominação de corpos ocorre com a chamada necropolítica. O delito juridicamente definido como genocídio tem sua raiz no racismo, pois ele opera um corte ontológico e promove um processo de naturalização da desumanização.

Nesse contexto, emergem critérios como o índice facial, desenvolvido para justificar uma suposta correlação entre a conformação craniana e a capacidade mental. Com o positivismo criminológico, portanto, elaborou-se uma teoria segundo a qual a possibilidade de mudança ou “evolução” é impossível, tendo em vista que os fatores biológicos condicionantes são imutáveis. Em Antropologia do Negro I e II (2014), o artista Paulo Nazareth apresenta os desdobramentos de sua pesquisa com o acervo do Museu Antropológico e Etnográfico Estácio de Lima (MEL), fechado desde 2005 e reaberto devido à iniciativa da 3ª Bienal da Bahia (2014), realizada 46 anos após a sua última edição, a qual foi fechada pela censura da ditadura militar. Os vídeos em preto e branco, não por acaso, apresentam Nazareth deitado sob uma pilha de crânios, misturando-se aos vestígios de humanidade restantes.

antropologia1
Paulo Nazareth. Antropologia do Negro I, 2014.
antropologia2
Paulo Nazareth. Antropologia do Negro II, 2014

Em Antropologia do Negro I, uma pessoa posiciona os crânios sobre e ao redor do corpo do artista: é possível observar seu gesto mínimo, apenas o movimento de sua respiração em meio ao que o circunda e o envolve até o momento de retirada desses vestígios. Antropologia do Negro II, por sua vez, remonta a cena a partir da autonomia do artista, que não mais precisa de ajuda: Nazareth, também deitado, reproduz o mesmo processo, gerando ainda mais aflição ao manusear um material duradouro e, ao mesmo tempo, tão frágil.

O MEL foi inaugurado em 1958, na cidade de Salvador, a partir dos estudos de Nina Rodrigues, médico que se baseou em pressupostos do evolucionismo social e da Escola de Criminologia Italiana para articular um racismo científico no país. Nesse sentido, os ossos sob os quais o corpo do artista repousa são crânios de quaisquer pessoas racializadas, rejeitadas enquanto significantes de atualização do Sujeito. Corpos que continuam amontoando-se, vítimas de um Estado que encontra na violência racial a figuração do excesso.

Referências Bibliográficas

MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: n -1 edições, 2018, 2ª ed.

MIYADA, Paulo [org.]. AI-5 50 anos: ainda não terminou de acabar, p.409. São Paulo: Instituto Tomie Ohtake, 2019

 

andressa

 

Andressa Rocha
É bacharel em História da Arte pela Escola de Belas Artes da UFRJ, crítica de arte e arte-educadora. Desenvolve pesquisa acerca da presença do legado antropofágico no fim do projeto moderno e a continuidade e inflexão diferencial na obra de artistas afrobrasileiros.

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: